A devoção mariana em tempos de pandemia

Certamente essa será uma das cenas mais vivas na memória de todos os católicos que estão vivendo estes dias de pandemia do novo coronavírus: um homem, sozinho, atravessa uma praça. Esse homem, o Papa Francisco, no dia 27 de março deste ano, atravessou sozinho a Praça de São Pedro, no Vaticano, para rezar diante do Crucificado e do ícone da Mãe de Deus.

Foto: Vatican News

Por Frei Jonas Nogueira da Costa, OFM

Talvez o que mais tenha nos tocado é o modo como nos identificamos com esse homem. Também nos sentimos sozinhos diante desta pandemia. Também nos sentimos atravessando um momento de nossa história em que olhamos para as pessoas que amamos, para a sociedade e para nós mesmos e percebemos um entardecer, um profundo entardecer em nossos corações. E esse homem, que sozinho atravessa a praça, traduz esse sentimento com as seguintes palavras:

“‘Ao entardecer…’ (Mc 4,35): assim começa o Evangelho, que ouvimos. Há semanas, parece que a tarde caiu. Densas trevas cobriram as nossas praças, ruas e cidades; apoderaram-se das nossas vidas, enchendo tudo de um silêncio ensurdecedor e um vazio desolador, que paralisa tudo à sua passagem: pressente-se no ar, nota-se nos gestos, dizem-no os olhares. Revemo-nos temerosos e perdidos. À semelhança dos discípulos do Evangelho, fomos surpreendidos por uma tempestade inesperada e furibunda. Demo-nos conta de estar no mesmo barco, todos frágeis e desorientados, mas ao mesmo tempo importantes e necessários: todos chamados a remar juntos, todos carecidos de mútuo encorajamento. E, neste barco, estamos todos. Tal como os discípulos que, falando a uma só voz, dizem angustiados: ‘vamos perecer’ (cf. 4,38), assim também nós nos apercebemos de que não podemos continuar estrada cada qual por conta própria, mas só o conseguiremos juntos.”

E, em sua prece, ele reúne todos os fiéis e os faz olhar a imagem de Jesus Crucificado, olhar para Aquele que “assumiu nossas fraquezas e as nossas dores”, que “por seus ferimentos fomos curados” (Is 53,4-5). Também conduz nosso olhar à Mãe de Deus, invocada como Salus Popoli Romani (Salvação do Povo Romano). As imagens de Jesus Crucificado e de Maria alcançam o mais profundo de nós mesmos e nos incutem coragem. Coragem de atravessar essa praça vazia de nossos dias.

Queremos, neste artigo, refletir sobre a forma como a devoção mariana nos ajuda a viver, rezar e meditar nestes dias em que somos ameaçados pelo novo coronavírus. A Igreja sempre considerou a intercessão de Maria como um importante elemento de sua fé. Por isso, vejamos como isso é expresso nas três orações marianas mais significativas de nossa devoção e a atualidade de suas expressões piedosas.

Sub tuum praesidium

A mais antiga oração mariana é denominada pelas suas primeiras palavras Sub tuum praesidium (À vossa proteção). Sua composição é, possivelmente, proveniente da região do Egito (Alexandria), datada por volta do século III.

Sua maior importância no campo do dogma cristão é a expressão Theotokos (Genitora de Deus), que nos revela o modo como a comunidade professa sua fé no mistério de Jesus Cristo, verdadeiro homem e verdadeiro Deus, gerado no ventre de Maria. O título antecede ao Concílio de Éfeso (431) que, desde então, ratifica essa expressão mariana dentro de uma perspectiva cristológica mais ortodoxa.

Contudo, o que queremos ressaltar é o contexto dessa oração. Pesquisas nos indicam que ela foi composta em tempos em que a comunidade cristã estava ameaçada por um grave perigo e se refugiou sob a proteção da Mãe de Jesus. Desse modo, encontramos uma expressão de confiança dos fiéis que esperavam ser atendidos pela Virgem Maria (“não desprezeis as nossas súplicas”) em sua situação de profunda fragilidade (“livrai-nos sempre de todos os perigos”).

Encontramo-nos num contexto muito semelhante. Tanto no que concerne à contaminação do coronavírus, quanto em relação aos desafios que o distanciamento social provoca. Num país como o Brasil, em que a corrupção política empobrece todo um povo, um dos setores em que mais percebemos seus efeitos nefastos é na área da saúde pública. A limitação de leitos hospitalares disponíveis, escassez de respiradores artificiais e de profissionais da saúde levam esta situação a um patamar ainda mais preocupante. Sem contar que o distanciamento social, medida sanitária necessária para a não propagação do vírus, traz consigo desafios de ordem emocional, econômica e social. Contudo, talvez o maior perigo que se manifesta diante de nós, relacionado à pandemia, é a forma como algumas pessoas (políticos de um modo particular) e instituições priorizam a economia em detrimento de vidas. Gerar rendas é mais importante para uma elite que salvar vidas. Essa mentalidade e sua aplicação são muito mais nefastas que o próprio vírus, pois a pandemia vai passar, mas o efeito do pecado da ganância e do pecado da omissão, por parte de uma grande parcela da população, gera dor, sofrimento e morte. Como corrigir isso? Dizer que isso também vai passar? “Jogar para debaixo do tapete” esta parte da nossa inglória história? Sabemos que a questão é muito complexa e só o Espírito Santo, que gera vida e conversão, pode nos ajudar.

Foto: Vatican News

A Ave-Maria

Mesmo não sendo a mais antiga oração mariana, a Ave-Maria é a oração mais recitada no culto à Mãe de Deus. Suas origens remontam à liturgia oriental no fim do século IV, que uniu a saudação do anjo com as palavras de Isabel, formando uma breve antífona. No Ocidente, antes do ano 1000, encontramos essa oração como antífona do ofertório da missa do IV Domingo do Advento, da quarta-feira do Advento e da festa do dia 25 de março.

Fora do contexto litúrgico, essa versão primitiva da Ave-Maria, que contava apenas com o que conhecemos como sua primeira parte, teve como grande propagandista São Pedro Damião († 1072). Somente no século XII que o povo assimilou essa prece como algo de sua constante expressão de fé, atribuindo-se ao Papa Urbano IV (1261-1264) a conclusão com o nome de “Jesus”.

Encontramos os resquícios mais remotos da segunda parte da Ave-Maria em um breviário dos monges cartuxos dos séculos XIII e XIV. Num dos sermões de São Bernardino de Sena, proferido em 1427, lemos as palavras: Sancta Maria, Mater Dei ora pro nobis. Num breviário romano dos séculos XIV e XV, encontramos também o complemento com o acréscimo das últimas palavras: ora pro nobis nunc et in hora mortis nostrae. Amen.

Pedimos que Maria nos acompanhe com seu amor materno em cada instante de nossas vidas, mas sobretudo naquele que se coloca diante de nós como o mais incerto e frágil de todos, a hora de nossa morte. Mesmo sendo a morte uma realidade conatural à nossa humanidade, e que pela dimensão da fé não é o fim da vida, ela é a condensação de todos os nossos temores numa única situação. Nisso se encontra um dos motivos de muitas pessoas terem medo da morte. Logo, a invocação da figura protetora e amorosa da mãe, sobretudo a Mãe de Deus e nossa nessa hora, provoca uma onda de encorajamento, pois é um convite à entrega, ao absoluto amor misericordioso de Deus.

Nesse sentido, é muito interessante o que G. Roschini nos diz sobre a palavra “mãe”: “É a primeira que brota dos lábios e, geralmente, é também a última que aí se extingue, pois se observa frequentemente nos moribundos este fenômeno psicológico: a invocação de sua mãe”.

Quando um paciente está para morrer por covid-19, ele se encontra sozinho. Ao seu redor se encontram heroicas pessoas lutando por sua vida, mas encobertas por necessárias roupas e óculos protetores. Mas, quem lhe segurará a mão dando-lhe o último calor humano? A Mãe. Ela, “na hora da nossa morte”, está presente, como tanto pedimos em cada Ave-Maria. E dela temos o último calor humano que nos conduzirá à vida eterna.

Salve-Rainha

No contexto desta epidemia, essa oração mariana torna-se muito peculiar, o que justificamos a partir dos verbos “bradar”, “suspirar”, “gemer” e “chorar”, que denotam, poeticamente, a intensidade com que os fiéis rogam à Virgem Maria sua intercessão, o que lembra o sentimento de todos nós neste tempo de pandemia, que pode ser visto, também, como um “vale de lágrimas”.

A composição da oração “Salve Rainha” é atribuída a Hermano, o Contrato († 1054), mas há outros possíveis autores, como: Pedro de Mezonzo († 1000), bispo de Compostela; e Ademar de Monteil († 1098), bispo de Le Puy-en-Velay. A piedade medieval acrescentou o termo “Mater” no primeiro verso da oração bem como “Virgo” no último. Em 1135, já encontramos estabelecido o costume de se cantar a Salve-Regina como hino processional no Mosteiro de Cluny.

Podemos dizer que, depois da Ave-Maria, a Salve-Rainha é a oração mariana mais rezada e conhecida. Essa oração começa com uma saudação que nos ajuda a compreender como se via Maria no século XI e em toda a Idade Média, em que a Salve-Rainha se difundiu com vigor, tanto nos mosteiros como na vida dos leigos. Maria é Regina misericordiae, como também Regina, mater misericordiae. Ao termo “Rainha” são adicionados os adjetivos vita, dulcedo et spes nostra. Podemos dizer que Maria não é vista como uma rainha tirânica, distante do povo e que lhe causa medo, mas sim como uma rainha de ternura e amor, é vista também com amor e ternura por ser “mãe de misericórdia”.

Também é feita outra referência à misericórdia de Maria ao se pedir que ela volte seu olhar misericordioso para aqueles cuja defesa ela assume. Aquela que se compreende como uma serva de Deus e que teve o olhar do Altíssimo posto sobre si mesma em sua humildade (cf. Lc 1,48) agora é convidada a olhar para os que clamam por ela.

A partir dessa impostação inicial da Salve-Rainha é que se apresenta o “como” as pessoas se voltam para a Mãe Misericordiosa, ou seja, com brados, “gemendo e chorando”. Essa forma de recorrer à Virgem nos soa como a de alguém que se encontra em aflição ou, como diz o texto, são os “degredados filhos de Eva” que vivem num “vale de lágrimas”. Seja por aflição ou por participarem da sorte de Eva, no que se refere ao pecado, a oração é um grito confiante de socorro.

Tanto a aflição como o pecado nos colocam diante de sérias consequências. Por isso, devido a sua realeza e sua maternidade misericordiosa, Maria é clamada como “advogada nossa”. No contexto feudal, como nos dias de hoje, o advogado é o que garante proteção jurídica contra os inimigos. Assim, encontramos a manifestação de que Maria se compadece dos seus e assume a causa deles.

Atualmente, é muito questionada a ideia da vida como um “vale de lágrimas”. Teme-se que pensar a vida como um exílio de sofrimento gere conformismo nas massas predominantes esmagadas pela injustiça e conformismo, baseadas na esperança de que, na vida eterna, tudo acabará. Também se pode pensar que, pelo fato de dor e sofrimento fazerem parte da condição humana, se esqueça de que a alegria e a felicidade também o fazem. Por outro lado, não podemos ignorar que, para muitos, é difícil encontrar alegria e felicidade em meio a situações de morte e medo em que muitas pessoas se encontram ameaçadas todos os dias.

Cemitério Parque Tarumã, Manaus-AM – Foto: Marcelo Camargo (Ag. Brasil)

Também, quem seria capaz de negar a semelhança que o termo “vale de lágrimas” comporta quando encontramos imagens de imensos espaços abertos que, às pressas, foram cavados para enterrar pessoas? Pensemos nas imagens do Cemitério de Manaus e outros espalhados pelo Brasil e pelo mundo. Ou ainda, não ver esse “vale de lágrimas” quando se abre uma vala comum em que se depositam caixões, um ao lado do outro, inclusive, negando a possibilidade de um velório em que se possa despedir da pessoa amada?

Definitivamente, a vida não é um “vale de lágrimas”, mas todos nós, viventes, atravessamos esse vale em diversas circunstâncias. E mesmo que, em determinados momentos da vida, a expressão não nos diga absolutamente nada, é preciso olhar para os que vivem nesse “vale de lágrimas” e, como o bom samaritano, ter compaixão. Voltar-se à Mãe de Misericórdia com verdadeira devoção é assumir o compromisso de sermos misericordiosos como nosso Pai é misericordioso (cf. Lc 3,36).

Conclusão

A Virgem Maria nunca nos abandonou. Em seu múnus materno, intercede a Deus por todos nós. No Espírito Santo, estamos unidos com a Mãe de Jesus pela oração, no que denominamos de “Comunhão dos Santos”. Estamos unidos, vivos e mortos, santos e pecadores, testemunhas da santidade de Deus e penitentes, num “laço de fraternidade” muito estreito, que é o próprio Espírito Santo que nos leva a rezar.

E a oração nunca serve para que Deus faça a nossa vontade. Isso é um absurdo! A oração, pelo diálogo amoroso da Criatura com o Criador, nos leva a querer fazer a vontade de Deus, mas para isso é necessário o dom da fé. E, novamente, o mesmo Espírito que nos une, nos faz rezar e também nos dá o dom da fé. E, por fim, a fé nos incute coragem.

Gostaríamos de tomar a cidade de Cartago no século III como um exemplo. Logo após a perseguição de Décio (250-251), a cidade é duramente provada com a irrupção de uma terrível epidemia. Diz-se que:

“A população perdeu a cabeça, e o terror causado pela aparição da peste era tal que, muitas vezes, quando numa habitação alguém era atingido pelo mal, os próprios parentes ou patrões, pressurosos em evitar o contágio, o lançavam à rua e o abandonavam à própria sorte.”

Diante disso, o bispo da cidade, Cipriano, escreve uma carta convocando o povo a não perder a fé diante do que ameaça a vida, pois “somos pela morte conduzidos à imortalidade”.

Também diz que:

“Quando, portanto, irromper uma calamidade, uma fraqueza ou enfermidade, então nossa força se aperfeiçoará, então a fé, que perseverou na tentação, será coroada, conforme está escrito: ‘O vaso se prova na fornalha, e os justos, no sofrimento da tribulação’” (Eclo 27,5).

Queremos, mediante a fé, superar este tempo de pandemia e sermos pessoas melhores. Cremos que o Senhor nunca nos abandonará. Caso o “entardecer” (cf. Mc 4,35) nos alcance e nos vejamos em terrível tempestade, devemos ouvir o Senhor nos questionar: “Por que sois tão medrosos? Ainda não tendes fé?” (Mc 4,40).

Nessas horas, elevemos nossos olhos ao Cristo crucificado, Árvore da Vida, e à sua Santa Mãe, e peçamos ao Pai, pelo Espírito Santo, o dom da fé. A devoção mariana, especificamente neste momento, é a expressão de que cremos que não estamos desamparados, mas precisamos de fé para em tudo fazer o que Jesus nos disser (cf. Jo 2,5).

Referências

AMATO, Angelo. Maria la Theotokos. Conoscenza ed esperienza. Città del Vaticano: Libreria Editrice Vaticana, 2011.

BOFF, Leonardo. A Ave-Maria. O feminino e o Espírito Santo. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 2003.

CIPRIANO de Cartago. Obras Completas I. São Paulo: Paulus, 2016.

FRANCISCO, papa. Homilia do dia 27 de março de 2020. Disponível em: <https://www.vaticannews.va/pt/papa/news/2020-03/papa-francisco-homilia-oracao-bencao-urbe-et-orbi-27-marco.html>. Acesso em 30 maio / 2020.

GEBARA, Ivone; BINGEMER, Maria Clara L. Maria, mãe de Deus e mãe dos pobres. Um ensaio a partir da mulher e da América Latina. Petrópolis: Vozes, 1987.

MAGGIONI, Corrado. Bendetto il frutto del tuo grembo. Due milleni di pietà mariana. Casale Monferrato: Portalupi Editore s.r.l., 2000.

MONJAS BENEDITINAS. A MORTALIDADE – INTRODUÇÃO. In: CIPRIANO de Cartago. Obras Completas I. São Paulo: Paulus, 2016.

ROSCHINI, Gabriel. Instruções marianas. São Paulo: Paulinas, 1960.

(Texto publicado no site do Conselho Nacional do Laicato do Brasil – https://www.cnlb.org.br/?p=4868)

Reconstruir a esperança

17/04/2020

As feridas expostas da sociedade mundial, suas pandemias, sinalizam enorme desafio: reconstruir a esperança. Entre as chagas enfrentadas pela civilização contemporânea está um generalizado estado de desolação – falimento da esperança. Contundente é a interrogação que requer urgente resposta: o que se pode esperar? E no desafio inscrito nessa pergunta, outro questionamento é recorrente: em quem confiar? O desafio existencial de se encontrar sentido na vida soma-se ao grave problema de saúde da atualidade, a covid-19. A busca pelo sentido da vida – embora tratado na superficialidade do bem-estar e das futilidades alimentadas pela ganância do dinheiro, da busca mesquinha  por conforto – remete todos à questão central da própria existência. Lá, neste ponto de partida e de chegada, está o nascedouro da esperança, o lugar onde cada pessoa encontra os fundamentos para se reconstruir e, ao mesmo tempo, aproximar-se da plenitude.

A humanidade, ancorada em muitos avanços tecnológicos e científicos, admiráveis, mas alheia aos valores humanísticos, revela o seu despreparo para realizar, com a necessária eficiência, sua tarefa primordial – reconstruir a esperança.  E reverter esse déficit geral na qualificação humanística exige alcançar a indispensável dimensão da espiritualidade, ainda com tão pouco espaço no conjunto de reflexões e pensamentos sobre a condução do desenvolvimento da sociedade mundial. De modo pontual, aparecem grupos que se referem à espiritualidade e, sem proselitismos, com profundidade transformadora, apresentam práticas que ajudam a cultivar rica cosmovisão, contribuição significativa para construir um mundo melhor.

Mas a essencialidade da espiritualidade ainda não assomou ao seu adequado lugar, mesmo quando se requer a gênese de um novo tempo para a humanidade. E quando se diz que o mundo não poderá ser o mesmo depois da pandemia da convid-19, pensa-se pouco sobre o papel decisivo da espiritualidade. Corre-se o risco de acreditar que basta simplesmente descobrir nova lógica para a economia, sem considerar os equívocos atuais. Ora, essa nova lógica no contexto econômico, para superar o domínio perverso do lucro e da idolatria do dinheiro, que se desdobra em consumo ilimitado e nos hábitos egoístas, na desconsideração dos pobres, requer profunda espiritualidade, eivada de humanismo, mística e sentido de transcendência.

O distanciamento humano da espiritualidade resulta também em graves prejuízos para o meio ambiente. Os recursos naturais são usufruídos de maneira extrativista e depredadora, o que faz crescer a miséria e os desequilíbrios em todo o planeta. Com isso, a humanidade inteira sofre as consequências, a exemplo desta pandemia do coronavírus, que ameaça todos, sem distinção de status social ou nacionalidade. Não se passará a uma nova página da história sem que o mundo vivencie profunda espiritualidade, oportunidade para verdadeira transformação social. Isto exige que a humanidade valorize a experiência da contemplação e da mística, caminhos para a reconstrução da esperança, alicerce de um novo modo de viver.

Importante ressaltar: há um caminho que se camufla de autêntica espiritualidade, e ao invés disso centra-se na vaidade, objetiva exclusivamente a arrecadação e o acúmulo de poder. Manipula até mesmo a Palavra de Deus. A pandemia que a humanidade enfrenta desmascara esses religiosos que difundem conceito equivocado sobre a fé, oferecida por eles como solução mágica para problemas. Incapazes de solucionar uma ameaça real e complexa, se calam, comprovando que, diferentemente de suas promessas, não têm o poder de realizar milagres – Deus não se deixa manipular.  Há, ainda, os religiosos que promovem espetacularizações, teatralizações, evidenciando, também, despreparo espiritual e místico. A seu modo, também oferecem soluções mágicas para problemas complexos.

Percebe-se um despreparo geral, fruto da carência de uma espiritualidade profunda capaz de alimentar e reconstruir a verdadeira esperança. Consequentemente, proliferam os que promovem e os que buscam invencionices, bem distantes da riqueza do mistério da fé. Os que se apegam às invencionices ficam ao redor dele, o rodeiam, mas mesmo diante da fonte, acabam por morrer de sede e de fome.  Apegam-se à ilusória sensação de que a esperança se reconstrói e se fortalece com certos espetáculos e práticas inoportunas ou descontextualizadas. É preciso retomar a direção de uma qualificada espiritualidade. O primeiro passo é vivenciar a oração, que requer o silêncio, o salutar incômodo de se observar, contemplando a própria interioridade, única garantia para o autêntico encontro com Deus. Uma vivência da oração bem diferente de práticas devocionalistas, que produzem sensações efêmeras e momentaneamente geram certo conforto e bem-estar.

A construção da nova realidade que todos almejam exige longo caminho de aprendizagens, em que o essencial é reconstruir a esperança, alicerçada na espiritualidade daqueles que sabem orar, de verdade, para além de simples ritos ou de palavras. Contemplação e interioridade, pilares fundamentais da fé e da prática cristã autêntica, são imprescindíveis. Possibilitam alcançar nova sabedoria, enxergar os rumos novos exigidos pelos desafios atuais, a partir da vida interior. A verdadeira oração é essencial na reconstrução da esperança.

Todos reconheçam: mesmo que ninguém ouça, ou mesmo quando não se tem alguém com quem falar, Deus sempre está presente. Ele sempre ouve, com Ele pode-se sempre falar. Deus ajuda quando a capacidade humana está esgotada e sem condições para amparar. Mas poucos sabem escutá-Lo.  Esperar Nele para superar os desesperos e tornar-se fonte de sabedoria para ajudar a consertar o mundo. A reconstrução da esperança requer a escuta de Deus, como sustento, tocando a interioridade, para qualificá-la, fazendo, de cada pessoa, testemunha fidedigna da esperança, protagonista neste processo de renovação da humanidade.

Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Arcebispo metropolitano de Belo Horizonte
Presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB)

Ilustração: Jornal Estado de Minas

Vivenciar silêncio profundo

10/04/2020

O mais profundo, misterioso e inquietante silêncio é o da morte. Amedronta e atormenta a existência humana, escancarando a sua finitude, experimentada também nos limites das enfermidades que batem, igualmente, à porta de ricos e pobres. A finitude remete à preciosidade da vida, que é dom. Ao mesmo tempo, ensina que a igualdade pela solidariedade é caminho único para a preservação e o desabrochar do dom da vida. Práticas distantes da solidariedade submetem a humanidade a pandemias muito ameaçadoras, escancarando aos olhos de todos que as riquezas, quando tratadas mesquinhamente, de nada valem, que o poder, se não for exercido como serviço, conduz ao autoextermínio.

O silêncio das ruas – embora ainda contracenando com a indisciplina, fruto de ignorantismos – o silêncio sacro das igrejas, transferido para a assembleia orante de cada lar, o silêncio na interioridade das pessoas, todos os silêncios, nesta Sexta-feira da Paixão, são tocados pelo silêncio profundo da morte de Jesus Cristo, Salvador do mundo, Mestre e Senhor. A oferta máxima de Jesus tem força para libertar o ser humano da escravidão, da dinâmica frenética de um dia a dia enlouquecido pelo ilimitado desejo de acumular dinheiro e posses a qualquer custo, passando por cima até do próprio bem.

O profundo silêncio da morte redentora de Cristo, em obediência amorosa ao desejo de Deus, Pai de Jesus e de cada pessoa – por isso todos são irmãos uns dos outros – tem propriedades únicas. Fecunda nova compreensão e permite à humanidade trilhar caminho diferente, em um tempo privilegiado pelas descobertas da razão, mas, também, repleto de incertezas e inseguranças – consequências da falta de espiritualidade. A dimensão espiritual é a fonte verdadeira de humanismo e do autêntico sentido de pertencimento a Deus, que salva e concebe a vida em plenitude, orientada por parâmetros capazes de fazê-la ressurgir no contexto de uma humanidade solidária. A vida torna-se sábia na relação com o meio ambiente, a Casa Comum, livrando-a de depredações criminosas e extrativismos inescrupulosos.

O silêncio profundo e ensurdecedor desta Sexta-feira da Paixão, ao mergulhar a humanidade no inexplicável e interpelante mistério da morte, revela a insignificância dos bens ante o valor maior da bondade. Apura o discernimento, permitindo se reconhecer dois preocupantes grupos no contexto da civilização contemporânea: no primeiro grupo, os indiferentes e perversos, que assim o são pelo desrespeito aos valores inegociáveis da solidariedade, por desconsiderar a dignidade humana. Apropriam-se do poder balizados pela mesquinhez, alimentando práticas e hábitos que provocam adoecimentos e esgotam a humanidade. São coniventes com a destruição do meio ambiente – argumentam que isso é “progresso” ou “desenvolvimento”. No outro grupo, estão os que tentam se aproximar da espiritualidade redentora nascida da Cruz de Cristo, mas encontram-se inabilitados pela ausência de valores e princípios. Consequentemente, alimentam compreensões estreitas, responsáveis por traduções inadequadas do mistério do amor de Deus. Apegam-se a práticas religiosas superficiais e contaminadas por invencionices. Pode-se dizer que são pessoas à beira do poço de água límpida, mas sem balde para retirá-la e matar a própria sede. Adotam práticas e escolhas, embora camufladas por uma “roupagem” cristã, desprovidas da força da fé e, consequentemente, incapazes de inspirar as mudanças necessárias a este tempo.

Esses dois grupos arrastam a humanidade para o fracasso, favorecem o surgimento de loucuras, desvarios de todo tipo, conduzindo o mundo ao precipício das pandemias. O distanciamento social, o medo de adoecer e de perder a vida envolvem a sociedade com o silêncio, até aqui pouco praticado. E abraçar esse silêncio incomoda uma sociedade desorientada, exatamente por não ter o hábito de escutar. Quem não silencia fala o que não deve, compromete rumos e corre riscos. O silêncio profundo possibilita superar a escuridão existencial; conquistar a sabedoria necessária para que não haja um colapso total. A humanidade precisa deixar-se inundar pelo completo silêncio desta Sexta-feira Santa, celebração da paixão e morte de Jesus, Deus e homem, salvador e redentor.

O rumo novo para se repensar a existência requer a sabedoria de contemplar e almejar a vida eterna, fundamento de uma dinâmica espiritual capaz de garantir consistência e sentido ao viver. Sem qualificada espiritualidade os adoecimentos continuarão, os esgotamentos serão insuportáveis e as lógicas que alimentam pandemias, insuperáveis. O equilíbrio mundial precisará de nova lógica econômica, de uma política mais cidadã, de organizações mais solidárias, sem poder prescindir da espiritualidade. A dimensão espiritual é fonte de sentido, do viver alicerçado na simplicidade, focado no amor ao próximo. A fonte inesgotável desse amor, revelado na paixão, morte e ressurreição de Jesus, é Deus, bem diferente do que ensinam religiosidades mercantilistas e manipuladoras. Não vale qualquer espiritualidade. Só é curativa e sustentável aquela que se assenta sobre a esperança fidedigna, não ilusória, garantida por uma pessoa: Ele, Cristo, o incontestável em lógicas, gestos e na oferta de si. Aquele que mergulha no silêncio da morte para dela sair vitorioso e garantir vida plena a todos. A humanidade se deixe fecundar por este profundo silêncio, para devolver simplicidade à vida, ternura e alegria aos corações.

Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Arcebispo metropolitano de Belo Horizonte
Presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB)

Ilustração: Jornal Estado de Minas

Entrevistados destacam dificuldades da população em situação de rua durante a pandemia

Entrevistados destacam dificuldades da população em situação de rua durante a pandemia

“Se as pessoas precisam ficar em casa, qual é a proposta para quem não tem casa? Acho que é nessas horas que a gente precisa rever as ações que estamos implementando e, de fato, dar um passo em direção àquilo que vai sanar o problema, se não vamos ficar tratando da superficialidade da questão”, aponta Élerson Silva, assessor técnico da Cáritas Brasileira, em Minas Gerais.

Durante a entrevista, Samuel Rodrigues, da Coordenação do Movimento Nacional da População de rua, destaca a necessidade de ações mais contundentes por parte dos governos e reforça a importância de garantir o isolamento social: “a gente está caminhando para dias mais frios, caminhando para o pico da pandemia no país, o Brasil não tem feito testes suficientes para identificar as pessoas que estão contaminadas, para um país com dimensão continental, o que foi feito até hoje é muito pouco”.

Em entrevista concedida por telefone, Élerson e Samuel destacam as dificuldades enfrentadas pela população em situação de rua, sobretudo, neste momento de pandemia que reforça a vulnerabilidade de uma parcela da sociedade que não tem moradia.

Élerson Silva é assessor técnico da Cáritas Brasileira, em Minas Gerais, atua diretamente nos serviços voltados para a população em situação de rua executados pela Cáritas em parceria com a prefeitura de Belo Horizonte: dois Centros de Referência da População de Rua (Centro Pop), dois abrigos institucionais para famílias, um para mulheres, e o serviço de emergência e calamidade de acolhimento às pessoas que foram desabrigadas pela chuva.

Samuel Rodrigues é membro da Coordenação do Movimento Nacional da População de Rua, nas ações de Minas Gerais. O Movimento atua em treze estados. Durante a pandemia, vem desenvolvendo ações coletivas, arrecadando e distribuindo doações, realizando trabalhos de conscientização e fazendo incidência política.

Confira a entrevista:

Qual o retrato da população de rua hoje, em Belo Horizonte e no cenário nacional?

Samuel: Pensando no cenário nacional, é uma relação ainda de muito medo e desinformação. Muita fala de “isso não pega em nós”, mas as cidades se esvaziaram e a galera está com muito medo e sobrevivendo do fruto do trabalho da sociedade civil que tem se mobilizado em várias capitais, pessoalmente  levando comida e água, o mínimo necessário para essa galera. E, na verdade, uma ânsia muito grande de resposta governamental. Então, tem sido um cenário de muito pavor e solidariedade por parte do movimento e das pastorais e associações que têm se juntado para prestar serviço a esse público nessa época de pandemia. Muitos sobreviviam da coleta seletiva e nem isso está tendo.

Élerson: Esse quadro de pandemia só agrava uma situação já existente, que é a situação do descaso com as pessoas que estão em situação de rua. É importante frisar que as pessoas que estão em situação de rua são fruto de um sistema que as descarta e as trata como lixo. Para mudar essa realidade a gente precisa mudar o sistema e repensar nossa forma de viver. Quando você pergunta como estão as pessoas em situação de rua, seja em Belo Horizonte, Minas Gerais ou em todo Brasil, elas continuam no mesmo estado, sendo descartadas e sem uma ação estrutural para que se resolva o problema.

Em relação à pandemia, quais medidas estão sendo tomadas para proteger funcionários, voluntários, moradores e usuários dos serviços oferecidos?

Samuel: Tenho orientado todos voluntários que chegam a lavar as mãos,   colocar luva e máscara, dentro da quadra não pode permanecer sem os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), para ter segurança. A gente vai para a rua e na volta já descarta esses EPIs de forma correta, assim que a gente chega tem um saco de lixo, a gente coloca tudo ali. E temos orientado a população de rua, tentando organizar filas, com pelo menos um metro de distância de um para o outro, incentivando os companheiros a fazer a higienização das mãos sempre que possível. Então há um cuidado com essa galera que tem prestado serviço de forma voluntária e o cuidado para que a gente possa continuar a fazer o que estamos fazendo, sem nos tornarmos um vetor de transmissão do coronavírus. 

Élerson: Em consonância com as recomendações dos órgãos de saúde também estamos tomando muito cuidado [com as equipes de trabalho]. A primeira medida que tomamos foi fazer o mapeamento daquelas pessoas que são do grupo de risco. Orientamos para que permaneçam em casa, em quarentena, cuidado de si e cuidando dos seus. Como executamos serviços essenciais também fizemos um esforço muito grande para adquirir os itens de higiene: máscaras, luvas, sabonetes, álcool em gel, acesso à água. Temos dado orientações, distribuído panfletos e conversado com cada pessoa, porque nós sabemos que um dos agravantes dessa pandemia é o fato de que a maioria das pessoas apresentam sintomas leves ou não apresentam sintomas, então estamos fazendo um trabalho e um esforço muito grande de conscientização das pessoas para que nós não sejamos vetores de transmissão.

E quando a pessoa apresenta o sintoma? Para a equipe da Cáritas já existe uma orientação, mas e no caso dos usuários dos serviços, quando eles apresentam os sintomas, qual é o encaminhamento?

Élerson: A principal orientação é a de não favorecer aglomerações, então, a fim de proteger os usuários e a equipe, as pessoas que têm acesso ao Centro Pop têm acesso organizados em grupos de 50 pessoas, que procuram resolver  suas necessidades, seja banho ou alimentação e distribuímos também sabonete e água. Para Belo Horizonte nós temos um serviço que acolhe até 300 pessoas, para onde nós encaminhamos todas as pessoas em situação de rua que apresentam sintomas e necessitam de isolamento. E claro, temos contado com muita parceria da própria Secretaria Municipal de Saúde que atua, por exemplo, na vacinação contra a gripe, são medidas que amenizam. A Cáritas, embora execute esse serviço com a prefeitura, é parceira do Movimento Nacional da População de Rua e da pastoral, compõe esse grupo da sociedade civil que tem solicitado a ampliação de pontos de higiene na cidade.

Samuel: Bem lembrado pelo Élerson, essa população está na rua, mais vulnerável a esse vírus porque foi fruto de um descaso de longa data, mas a sociedade civil tem se mobilizado na iniciativa de levar alimentação e coisas emergenciais para essa galera. Então, é preciso alertar que é necessário ir além desse esforço da sociedade civil, por exemplo, em Belo Horizonte que está acolhendo pessoas com sintomas. Temos que pensar nas pessoas que ainda estão nas ruas e estão a mercê do que está acontecendo.

Se tratando da pandemia, quais os maiores desafios encontrados ao trabalhar com a população em situação de rua?

Élerson: O grande desafio é a falta de uma política efetiva e estrutural, e para que a gente não fique em cima do muro, é a política de moradia universal para a população em geral com foco na população em situação de rua. Nós só vamos resolver o problema das pessoas que estão em situação de rua se a gente superar essa barreira que existe em relação às políticas de interesse social voltadas para a população de rua. É lógico que a moradia não é a única coisa, você não tira a pessoa da situação de rua sem uma certa estabilidade e a estabilidade vai ser real quando você tiver uma moradia, não estou falando da defesa da propriedade, mas da moradia.  Então, diante da realidade da população em situação de rua, em relação à pandemia soa até uma violência você escutar “fique em casa”. Quando um órgão público desenvolve uma campanha que pede para que as pessoas fiquem em casa, sendo que você tem uma grande parcela de pessoas que nem casa tem, isso é não levá-las em consideração, é dizer existe um grupo da sociedade que eu desconsidero. Se as pessoas precisam ficar em casa, qual é a proposta para quem não tem casa? Acho que é nessas horas que a gente precisa rever as ações que estamos implementando e, de fato, dar um passo em direção àquilo que vai sanar o problema, se não vamos ficar tratando da superficialidade da questão.

Samuel: A informação chega pouco na rua e quando chega é picotada, aí as pessoas acabam crendo que isso é de fato uma gripezinha, um resfriadinho, “isso não pega em nós, porque nós estamos imunes, porque a gente já vive na rua, enfrenta as intempéries climáticas”. Então, a gente tem feito um trabalho nas entregas de alimentação: explicar a letalidade do vírus, instigá-los, inclusive, a pleitear abrigamento, fazer uma pressão para que a rua possa pressionar o Estado a cumprir o mínimo dessa perspectiva de isolamento social. Nas filas de doações é um desafio muito grande fazer as pessoas se  manterem afastadas. Não é para a sorte de ninguém, mas a realidade é que a pandemia entrou pelos aeroportos, ela não entrou pelo moto táxi que vai à comunidade, mas a gente sabe que ela caminha a passos largos e a qualquer hora pode atingir a população de rua, os catadores, a população carcerária, e assim, a gente teria uma catástrofe. A população de rua fica principalmente nas regiões centrais aglomerada, reunida, juntos na mesma maloca, às vezes, até mesmo no serviço de acolhimento. Então, esse gargalo da informação talvez seja nesse momento, um desafio.

Élerson: Em relação à aquisição de itens de higiene e de equipamentos de segurança de proteção individual, a recomendação é que nós façamos ampla distribuição para que todos tenham acesso, mas se as equipes médicas dos hospitais não estão tendo acesso, você imagina a dificuldade que nós estamos tendo para a aquisição de itens de higiene? Álcool em gel praticamente não existe mais no mercado. Para amenizar um pouco esse impacto nós fizemos uma parceria com os empreendimentos de costura do Fórum Metropolitano de Economia Solidária aqui da região de Belo Horizonte, então nós estamos fazendo a aquisição de máscaras de pano, tanto para os trabalhadores, quanto para as pessoas atendidas, já nos antecipando a um possível agravamento da situação, prevista entre meados de abril, indo até maio e junho. Um outro desafio, que vai na direção que Samuel colocou, é em relação à saúde mental das pessoas afetadas pelo medo e pelo pânico que a própria pandemia, junto com o quadro de quarentena e isolamento tem proporcionado.Usuários do Centro Pop Sul recebem vacina contra a gripe

Usuários do Centro Pop Sul recebem vacina contra a gripe

Como vocês avaliam as medidas do Governo Federal para responder a emergência da Covid-19, no campo da assistência social, elas contemplam adequadamente a população em situação de rua?

Samuel: Eu vou dizer que não e vou explicar o por que: a posição do Governo Federal só desfavorece a população de rua, nós estamos fazendo uma luta para tirar as pessoas que sofreram na rua, as pessoas que não tem pra onde ir para que elas possam se isolar também. E tem o presidente incentivando quem não precisa estar na rua a ir para a rua em carreatas, por exemplo. O Movimento Nacional da População de Rua, em Belo Horizonte, espera muito mais dos governos federal, estadual e municipal. 

Élerson: Eu penso que muito ajuda quem não atrapalha. Então se nós tivermos uma orientação única no Governo Federal, eu acho que isso já contribuirá muito para que as ações dos entes federativos inferiores, que são os estados, municípios e nós que estamos na ponta estejam alinhados. No âmbito federal não há consenso em relação às políticas públicas, então se prega o isolamento, mas outras iniciativas do Governo Federal vão contra esse isolamento. Infelizmente, ter serviço público gratuito universal à disposição da população não é uma realidade. Nós estamos falando aqui de Belo Horizonte, mas nós temos contato com outras regiões e outras Cáritas do Brasil onde sequer existe qualquer ação do poder público. Até em função daquilo que a gente experimentou agora na Quaresma e está experimentando ao longo deste ano na Campanha da Fraternidade, nós trabalhamos também em favor da vida e nada substitui o contato pessoal. Assim como Cristo ia em direção das pessoas, em direção dos leprosos, na época, a gente também está na rua, respeitando as orientações dos órgãos de saúde, mas alguém precisa estar com aqueles que ninguém quer estar, e somos nós, é a Pastoral é o Movimento Pop Rua, somos nós da Cáritas, né? Lembrar que existem comunidades quilombolas, comunidades indígenas, comunidades e povos tradicionais que estão sofrendo muito também, muito desses indígenas também estão em situação de rua, muitos dos migrantes e refugiados também estão em situação de rua.

Diante do cenário que foi colocado por vocês quais são os maiores desafios para o futuro das pessoas que vivem em situação de rua?

Samuel: Eu sou um cara otimista demais. Eu tenho uma perspectiva de futuro de que a humanidade vai começar a olhar as classes vulneráveis, dentre elas a população de rua, a população negra, quilombola, as mulheres chefes de família, penso que no futuro nós vamos sair dessa muito melhores, como humanos, muito melhores enquanto gestores, muito melhores como sociedade,  acho que a gente está sendo colocado à prova e, na minha perspectiva de futuro, embora eu saiba que nós vamos chorar muitas vidas que já foram e serão ceifadas, por conta desse vírus, creio que a gente saia do outro lado melhor, que a população de rua saia do outro lado, junto com a humanidade, melhor e creio que, a partir disso, a gente consiga pensar políticas públicas estruturantes. 

Élerson: O cuidado com a vida é primordial e vamos trabalhar em relação a isso para resolvermos problemas estruturais. Não podemos viver mais num sistema que coloca grande parte dos recursos em especulação financeira, para alimentar um sistema que acumula todo patrimônio na mão de poucos, na qual a grande maioria não tem o suficiente pra viver. Nós queremos um outro tipo de sociedade, uma sociedade que respeita a vida das pessoas, que respeita outras formas de organização. A pandemia tem questionado muito a nossa construção social, a própria vida urbana tem sido muito questionada, que a gente possa construir outras propostas e iniciativas.

Texto: Francielle Oliveira – Comunicadora Popular da Cáritas Brasileira Regional Minas Gerais

Fotos: Arquivo Centro Pop Sul

Colaborou: Sandra Silva

Fonte: Site CNBB