Papa Francisco acrescenta três invocações à Ladainha de Nossa Senhora

No sábado, 20 de junho, memória litúrgica do Imaculado Coração de Maria, a Santa Sé publicou a inclusão de três súplicas à Ladainha de Nossa Senhora. A decisão do Papa Francisco foi comunicada pela Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, numa carta endereçada aos presidentes das conferências episcopais de todo o mundo. A mensagem é assinada pelo cardeal Robert Sarah e o arcebispo Arthur Roche, respectivamente prefeito e secretário do dicastério vaticano.

“Mater Misericordiae” (Mãe da Misericórdia), “Mater Spei” (Mãe da Esperança) e “Solacium migrantium” (Conforto ou Ajuda dos Migrantes) são as novas invocações. A primeira será inserida depois de “Mater Ecclesiae” (Mãe da Igreja); a segunda, depois de “Mater divinae gratiae” (Mãe da divina graça); e a terceira, depois de “Refugium peccatorum” (Refúgio dos pecadores).

Geralmente a ladainha é recitada ao fim da oração do terço ou em celebrações dedicadas à Virgem Maria. Apesar de ser antiga, tornou-se conhecida pela difusão promovida pelo Santuário da Santa Casa de Loreto, Itália. Por isso a oração é também chamada de Ladainha Lauretana. O conjunto de invocações dirigidas à Mãe de Jesus foi recitado solenemente, pela primeira vez, em 1531. Há, contudo, registros dessa prece já no século XIII. Em 1601, o Papa Clemente VIII aprovou oficialmente a ladainha.

O Papa Francisco não é o primeiro pontífice a inserir invocações à ladainha. As súplicas têm um pé na realidade, por isso vários papas decidiram incluir versos, conforme os desafios de cada tempo. “Rainha concebida sem pecado original”, em 1854; “Mãe do bom conselho”, em 1903; “Rainha da paz”, em 1917; “Rainha assunta ao céu”, em 1950; “Mãe da Igreja”, em 1964. Em 1995, o Papa São João Paulo II acrescentou “Mãe da família”.

“O terço, como sabemos, é uma oração dotada de grande poder, portanto, neste momento, as invocações à Virgem são muito importantes para quem está sofrendo com a pandemia do covid-19, entre eles os migrantes que deixaram sua terra”, afirma Dom Arthur Roche.

Após a modificação determinada pelo Papa Francisco, a ladainha passa de 51 para 54 invocações à Mãe de Jesus. Confira, a seguir, o texto atualizado a seguir.

Ladainha de Nossa Senhora

(texto atualizado depois dos acréscimos do Papa Francisco)

Senhor, tende piedade de nós.

Cristo, tende piedade de nós.

Senhor, tende piedade de nós.

Cristo, ouvi-nos.

Cristo, atendei-nos.

Deus Pai do céu, tende piedade de nós.

Deus Filho, Redentor do mundo, tende piedade de nós.

Deus Espírito Santo, tende piedade de nós.

Santíssima Trindade, que sois um só Deus, tende piedade de nós.

Santa Maria, rogai por nós.

Santa Mãe de Deus,

Santa Virgem das virgens,

Mãe de Cristo,

Mãe da Igreja,

Mãe de misericórdia,

Mãe da divina graça,

Mãe da esperança,

Mãe puríssima,

Mãe castíssima,

Mãe sempre virgem,

Mãe imaculada,

Mãe digna de amor,

Mãe admirável,

Mãe do bom conselho,

Mãe do Criador,

Mãe do Salvador,

Virgem prudentíssima,

Virgem venerável,

Virgem louvável,

Virgem poderosa,

Virgem clemente,

Virgem fiel,

Espelho de perfeição,

Sede da Sabedoria,

Fonte de nossa alegria,

Vaso espiritual,

Tabernáculo da eterna glória,

Moradia consagrada a Deus,

Rosa mística,

Torre de Davi,

Torre de marfim,

Casa de ouro,

Arca da aliança,

Porta do céu,

Estrela da manhã,

Saúde dos enfermos,

Refúgio dos pecadores,

Conforto dos migrantes,

Consoladora dos aflitos,

Auxílio dos cristãos,

Rainha dos Anjos,

Rainha dos Patriarcas,

Rainha dos Profetas,

Rainha dos Apóstolos,

Rainha dos Mártires,

Rainha dos confessores da fé,

Rainha das Virgens,

Rainha de todos os santos,

Rainha concebida sem pecado original,

Rainha assunta ao céu,

Rainha do santo Rosário,

Rainha da família,

Rainha da paz.

Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, perdoai-nos, Senhor.

Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, ouvi-nos, Senhor.

Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, tende piedade de nós.

Rogai por nós, santa Mãe de Deus.

Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

(Diácono Alessandro Faleiro Marques, com informações de Vatican News).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *